[filme] Preciosa (Precious: Based on the Novel Push by Sapphire, 2009)

“Tão raro, tão verdadeiro e tão devastador”

Por: Lucas Procópio

Indicado a 6 Oscars, incluindo as categorias de filme, direção, roteiro e atrizes, o fortíssimo drama indie de Lee Daniels estreia está sexta-feira no Brasil. A trama gira em torno do mundo hostil em que Claireece Precious Jones vive. A garota de 16 anos é obesa, mãe precocemente e sofre abusos por parte da egoísta e manipuladora mãe. Sua vida muda quando ela começa a frequentar aulas em uma escola alternativa, onde uma gentil professora passa a lhe dar atenção.

O roteiro de Geoffrey Fletcher, baseado no livro “Push” da poeta Sapphire, é arquitetado sobre o fluxo de consciência da protagonista – o que a direção e a fotografia tratam de evidenciar. Se há um problema em Preciosa é esse excesso de ênfase que denota certa insegurança por parte do diretor Lee Daniels. Muita coisa é verbalizada mais adiante no roteiro, mas Daniels tem quase uma necessidade de chocar a platéia com seu realismo extremo. Porém, os melhores resultados são obtidos quando há contenção, quando o texto não dá chances para Daniels pesar a mão e os únicos recursos que o diretor tem ao seu alcance são seus intérpretes e, inusitadamente, o grande trunfo de Preciosa é seu elenco.

Nenhuma cena de violência sexual é tão repulsiva quanto um diálogo entre Precious e sua mãe. A comediante Mo’nique incorpora uma egoísta e ignorante mãe com tanta convicção e despudor que jura-se estar assistindo a um documentário, a um flagra, uma mulher real exposta em toda sua podridão. Tão inacreditável quanto é a protagonista ser interpretada por uma garota de 26 anos, que jamais atuou antes – há técnica e emoção fundidos ali em uma das performances mais acachapantes do ano.

Paula Patton e Mariah Carrey (!) estão ótimas – a primeira interpretando a professora que apresenta a Precious um mundo cheio de possibilidades, e a segunda a assistente social Mrs. Weiss que cobra de Precious, de maneira impiedosa, a verdade.

Embora pareça clichê, Precious não é um filme sobre redenção, na verdade o que há ali é a descoberta de um mundo raramente visto nas telas através dos olhos da protagonista. Isso vai conduzindo o espectador para a inevitável e dolorosa batalha final, no escritório de Mrs. Weiss, em uma sequencia memorável e emocionante.

Há sim problemas e irregularidades em Preciosa, mas é um filme tão raro, tão verdadeiro e tão devastador, que as falhas acabam ficando em segundo plano – e, um filme conseguindo tal feito já atesta desde então sua grandiosidade.

Para saber sobre curiosidades, informações e extras sobre o filme : www.xcine.com.br/filme_preciosa.html

About these ads